Lolo Barnabé

A história conta a vida de Lolo, um sujeito muito criativo e inteligente que nasceu há muito tempo, na pré-história. Casou-se com Brisa e juntos tiveram um filho: Finfo Barnabé. Eles eram muito felizes… mas nem tanto!

Moravam numa caverna, um lugar úmido e escuro. Então, a família Barnabé começou a inventar um monte de coisas para o conforto e a felicidade de suas vidas. Afinal, conforto é bom demais!

Nessa busca pelo conforto algo saiu errado: o excesso de invenções e a falta de tempo trouxeram problemas para os Barnabés. E assim, viveram cada vez mais infelizes… Mas como eram pessoas muito inteligentes e criativas, acabaram inventando um jeito de reencontrar a felicidade.

O aumento populacional e o consumo desenfreado há tempos vem gerando problemas que se tornam cada vez mais críticos. Esse contexto faz parte de um sistema que necessita ser repensado para uma mudança urgente e global. Lolo Barnabé, uma adaptação livre do livro Lolo Barnabé de Eva Furnari, abre o debate sobre o consumo consciente.

O cenário do espetáculo foi criado com caixas de madeira que se transformam em todas as coisas: esta sutileza cenográfica associada ao jogo clownesco dos personagens contribui para aprofundar o tema que o livro propõe.

Lolo Barnabé é uma dessas raras histórias que diverte ao mesmo tempo em que faz pensar. Durante todo o espetáculo a plateia se diverte com as “invenções” dessa família e no final se emociona com o desfecho poético da história.

Em um momento em que a palavra de ordem é sustentabilidade, levar adiante a mensagem do Lolo Barnabé é de fundamental importância para adultos e crianças refletirem juntos sobre o distanciamento que o mundo moderno e consumista está provocando entre as pessoas.

Hoje, mais do que nunca, é “preciso pensar com o coração”. Por isso, Lolo Barnabé.

FICHA TÉCNICA

ADAPTAÇÃO:

  • Claudio Saltini

DIREÇÃO:

  • Cláudio Saltini

ELENCO:

  • Claudio Saltini
  • Josy Nascimento
  • Sandro Gattone

CENÁRIO:

  • Claudio Saltini

TRILHA SONORA:

  • Cia Circo de Bonecos

DURAÇÃO:

  • 50 minutos

FAIXA ETÁRIA RECOMENDADA:

  • Livre – a partir de 4 anos

TEMA:

  • Sustentabilidade e consumo consciente

CONTEÚDO:

  • Espetáculo Clownesco

GÊNERO:

  • Comédia

MODALIDADE:

  • Teatro infantil

 

TRAILER

 

HISTÓRICO

Adaptar um livro para o teatro não é uma tarefa fácil. A Cia Circo de Bonecos demorou muito tempo, testando diversas ideias: o Lolo Barnabé já foi montado duas vezes com bonecos, mas agora ganhou uma nova versão com clowns (palhaços) e cenário feitos de caixas de madeira. Esta nova versão estreou em 10 de abril de 2011, no Auditório do SESC Vila Mariana e representa a incansável busca da Cia Circo de Bonecos por um espetáculo envolvente e divertido.

ESTREIA:

  • 2003 – Teatro Folha

TEMPORADAS:

  • 2003 – Teatro Alfa
  • 2003 – SESC Vila Mariana
  • 2004 – SESC Belenzinho

REESTREIA:

  • 2011 – SESC Vila Mariana

FESTIVAIS:

  • 2003: I Festival de Teatro de Bonecos – Teatro Folha
  • 2003: III Festival Shopping Jardim Sul
  • 2004: Festival de Teatro de Bonecos e Animação de São Bernardo do Campo
  • 2006: Festival SESI Bonecos do Brasil
  • 2006: Mostra de Teatro de Bonecos e Formas Animadas de São Bernardo do Campo

PARTICIPAÇÃO EM PROJETOS IMPORTANTES:

  • 2003: Itaú Cultural
  • 2003: CEU São Mateus e CEU Pera Marmelo
  • 2004: Circular Cultural – Teatro Municipal de Mauá
  • 2005: Mostra SESI de Teatro de Bonecos e Formas Animadas
  • 2008: Espaço Cultural CPFL
  • 2012: SESI Viagem Teatral Arte Educação

CRÍTICAS

A crítica recomenda este espetáculo!A crítica recomenda este espetáculo!A crítica recomenda este espetáculo!A crítica recomenda este espetáculo! GUIA DA FOLHA DE S. PAULO
A crítica recomenda este espetáculo!A crítica recomenda este espetáculo!A crítica recomenda este espetáculo! VEJA SÃO PAULO

O que a imprensa diz sobre Lolo Barnabé

Kátia Calsavara (Guia da Folha – De 14 a 20 de fevereiro de 2003)

Grupo acerta na estreia

Há espetáculos em que as pessoas saem da plateia com um sorriso no rosto. É justamente o caso de “Lolo Barnabé”, com texto de Eva Furnari. A peça marca a estreia da recém montada companhia Circo de Bonecos, que reúne a experiência de ex-integrantes dos grupos A Cidade Muda e XPTO.

Dois bons motivos já explicam o acerto da peça: bom enredo aliado ao cenário e a manipulação dos bonecos, ambos impecáveis.

O espetáculo narra a história de Lolo Barnabé, sua mulher, Brisa e o filho do casal, Finfo. Os três vivem felizes em uma caverna até o dia em que resolvem mudar para um lugar menos úmido, uma casa no topo de uma montanha.

Brisa passa a querer móveis, roupas novas, chuveiro, eletrodomésticos. Enquanto isso, Lolo trabalha exaustivamente em sua oficina.

A frase “Agora estamos felizes, mas nem tanto”, repetida pelos bonecos-atores, cai na boca das crianças, que a repetem, aos risos. A mistura beleza-simplicidade-encantamento resulta, na medida certa, em um presente aos espectadores.

Silvana Azevedo (Veja São Paulo – 12/02/2003)

Família das cavernas

Milhões de anos atrás, quando os dinossauros ainda dominavam o planeta, Lolo e sua família levavam uma vida alegre, porém sem grandes surpresas nem conforto. Daí passaram a usar a criatividade. Reformam a caverna, inventam banheiro, armário, telefone, televisão…Representado por bonecos de espuma e fantoches de pano, Lolo Barnabé reúne três craques da arte bonequeira. Ao lado de Sidnei Caria, que também atua como narrador, Anie Welter e Claudio Saltini dão vida a personagens capazes de encantar crianças em idade pré-escolar.